Justiça, Direitos Humanos, Dependência Química e Família

10.09.2015

“O dependente químico não deve ser tratado como marginal, bandido ou criminoso, mas sim como uma pessoa doente que precisa ser curada pelo Estado” destacou o juiz Ney Costa Alcântara de Oliveira, titular da 1ª Vara Criminal (Infância e Juventude) de Maceió ao palestrar sobre “A Justiça e o dependente químico” no 1º Seminário de “Justiça, Direitos Humanos, Dependência Química e Família”. O evento, organizado pelo Fórum Permanente de Combate às Drogas em parceria com o Judiciário, foi realizado, nesta quarta-feira (09), na sede da Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal).

      “Hoje nós temos cerca de 250 menores internados e 80% dessas internações tem relação com a droga. Nós reconhecemos que a maioria dos atos infracionais praticados pelos menores tem ligação com as drogas”, destacou o magistrado sobre o envolvimento dos jovens com o mundo das drogas.

      O juiz Celyrio Adamastor Tenório Accioly, representante do Núcleo de Combate às Drogas do Judiciário alagoano, destacou a importância de realizar eventos que discutam essa problemática. “A intenção é de acompanhar as palestras para integrá-las nas ações do Núcleo. O tratamento para dependentes químico é necessário para a sociedade”, comentou o juiz.

Após a palestra do magistrado Ney Alcântara, o promotor de Justiça Flávio Gomes da Costa Neto abordou “A dependência química e os direitos humanos”. A psicóloga e doutora em Dependência Química Joelma Nunes falou sobre “A família e a dependência química”.

      A presidente do Fórum Permanente de Combate às Drogas, Noélia Costa, explicou que o evento teve como objetivo proporcionar a troca de informações entre os participantes. “Nós direcionamos o seminário para toda a sociedade alagoana, para aqueles que querem informações sobre o que fazer com um amigo, um parente que tem problema com a dependência química. Hoje a maior parte do público é composta por profissionais que atuam diretamente nessa área, estudantes de Direito e Psicologia, além de familiares de usuários de drogas”, explicou.

 

Fonte:

Robertta Farias - Dicom TJ/AL
imprensa@tjal.jus.br - (82) 4009-3141 / 3240 

http://www.tjal.jus.br/?pag=verNoticia&noticia=9097

 

Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivos
Please reload

Siga nos
  • Facebook Basic Square