MPE/AL realiza I Ciclo de Palestras “O MP é Notícia” em março; membros e jornalistas de destaque nacional participarão de evento

14.03.2016

 

Considerada a mais importante ferramenta do jornalista, a investigação é o principal alicerce de grandes reportagens que podem mudar o rumo da história. Revelações de esquemas de corrupção, práticas fraudulentas para lesar os cofres públicos envolvendo gestores, funcionários e empresas, o poder paralelo das organizações criminosas: esses são apenas alguns dos atos de improbidade administrativa e de crimes que, após denunciados, abalam, de forma considerável, governos, instituições, pessoas jurídicas de interesse privado e quadrilhas. O instinto aguçado para farejar pistas em meio a um emaranhado de informações e a conquista de boas fontes são fundamentais para aquele profissional que, desde a sua formação, assume o compromisso com a verdade dos fatos e o interesse coletivo. Mas como se estrutura uma boa reportagem? Antes de mais nada, é preciso que o jornalista conheça o funcionamento das instituições, já que partem delas boas pautas que acabam por se tornar excelentes matérias nas mãos dos comunicadores sociais. Nesse contexto, o Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) promoverá, nos dias 14 e 15 de março de 2016, o I Ciclo de Palestras “O MP é Notícia”.

 

Segundo a diretora de Comunicação Socia do MPE/AL, Janaina Ribeiro, o objetivo do evento é fazer com que os jornalistas e radialistas alagoanos entendam o papel do Ministério Público, como está formada a sua estruturação organizacional, quais são os interesses coletivos defendidos pela instituição, o que significam direitos indisponíveis e como funciona o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), braço investigatório importante da unidade do MPE em Alagoas.

 

“Essa será a primeira edição do evento e nossa expectativa é que ele tenha o alcance necessário de forma a esclarecer todas as dúvidas das redações, permitindo, que, depois da sua realização, as reportagens sejam escritas com a utilização dos termos corretos e, dando ao leitor/ouvinte/telespectador/internauta, o correto entendimento sobre a missão do Ministério Público Estadual de Alagoas. Assim, teremos uma produção de conteúdo envolvendo o MPE/AL feita com o tripé talento, coragem e conhecimento técnico, permitindo ao comunicador social, ainda mais, fazer parte das transformações sociais através de um trabalho feito com excelência”, explicou Janaina Ribeiro.

 

O evento também pretende detalhar como trabalham os Núcleos especializados ligados a instituição. Eles representam as diversas áreas de atuação do Ministério Público e estão assim divididos: Direitos Humanos e Cidadania, Consumidor, Meio Ambiente, Patrimônio Público, Saúde Pública, Idoso e Defesa da Mulher.

Profissionais de comunicação podem se inscrever gratuitamente no ciclo de palestras pelo e-mailascom@mpal.mp.br, informando nome, veículo e telefone. As vagas são limitadas.

 

Palestrantes

 

O evento terá como um dos palestrantes o procurador-geral de Justiça, Sérgio Jucá. Caberá ao chefe da unidade do Ministério Público em Alagoas fazer a abertura do evento e promover uma explanação geral sobre o órgão. Os promotores de Justiça José Carlos Castro, Marluce Falcão, Marília Cerqueira, Antônio Luís dos Santos, Luiz Tenório, Hamílton Carneiro, Elísio Maia e Carlos Davi Lopes também falarão sobre o papel do Ministério Público nas áreas cível e criminal.

 

Além dos membros do MPE/AL, os jornalistas Fábio Gusmão, editor digital do jornal Extra do Rio de Janeiro, e Leslie Leitão, repórter da Revista Veja, ministrarão palestras sobre a importância da relação entre fonte e repórter, sobre o papel do Ministério Público na produção de reportagens investigativas e como a sociedade pode ajudar aos órgãos de controle e fiscalização e a imprensa por meio do jornalismo colaborativo. Fábio Gusmão é um premiado jornalista brasileiro. Com 21 anos de carreira, durante 15, dedicou-se ao jornalismo investigativo. Mais recentemente se tornou editor do conteúdo digital do jornal Extra do Rio de Janeiro e foi a inquietação que o levou a descobrir novidades, apostar na inovação e entender que a tecnologia é um meio fundamental na aplicação jornalística. Gusmão dedicou-se a compreender as melhores ferramentas à disposição da Comunicação Social e, em 2013, foi pioneiro no jornalismo colaborativo ao criar o WhatsApp do Jornal Extra, que acabou por inspirar outros tantos veículos a seguirem o mesmo caminho. É autor do livro "Dona Vitória da Paz", obra que foi fruto da série de reportagens "Janela Indiscreta", que lhe rendeu o maior prêmio de jornalismo do Brasil, o Esso, em 2005. Também já foi vencedor dos Prêmios Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, Embratel, Direitos Humanos de Jornalismo e Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

 

Leslie Leitão é repórter há 20 anos, com passagens pela agência de notícias Sport Press e pelos jornais Lance!, Extra e O Dia. Há cinco anos é repórter especial da Revista Veja no Rio de Janeiro e, desde então, tem se destacado por escrever matérias sobre corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, venda ilegal de armas e homicídios, dentre outras ilegalidades. Ele também é co-autor do livro “Indefensável - O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio”. No currículo, o jornalista carrega o prêmio 'Truth in Action' de 2009, oferecido pela World Association of Detectives (WAD), Associação Mundial de Detetives, pelo trabalho de investigação jornalística realizado naquele ano. Também é vencedor do Prêmio Tim Lopes de Jornalismo, em 2007.

 

“A intenção desta unidade do Ministério Público é promover uma atividade esclarecedora e que incentive ainda mais a produção de reportagens que envolvam o Ministério Público. Estamos confiantes que, após esse evento, os colegas jornalistas vão entender, em definitivo, o papel do MP no sistema brasileiro de Justiça”, acrescentou Janaina Ribeiro

 

I Ciclo de Palestras "O MP é Notícia"

 

Programação

 

Segunda-feira (14)

18h
Abertura do evento

18h30
"O papel do Ministério Público: qual é a sua função no sistema de Justiça e em que situações atuam um promotor e um procurador de Justiça?" - Sérgio Jucá, procurador-geral de Justiça

19h20
"O Ministério Público na área cível: dos inquéritos civis às ações por ato de improbidade administrativa" - José Carlos Castro, promotor de Justiça e coordenador do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público

20h10
Debate (20 minutos)

20h30
"O poder da fonte na construção do conteúdo jornalístico investigativo" - Fábio Gusmão, editor digital do Jornal Extra (RJ)

21h30
Debate (20 minutos)

21h50
Coquetel

 

Terça-feira (15)

18h30
"O papel do MP como órgão acusatório nas diferentes práticas de crime e o Tribunal do Júri" - Marluce Falcão e Marília Cerqueira, promotoras de Justiça

19h20
"O Gecoc e o combate às organizações criminosas em Alagoas" - Antônio Luiz dos Santos, Luiz Tenório, Hamílton Carneiro, Elísio Maia e Carlos Davi Lopes, promotores de Justiça

20h10
Debate (20 minutos)

20h30
"Os dilemas entre fonte e repórter: preservar a informação ou dar a notícia?" - Leslei Leitão, repórter investigativo da Revista Veja

21h30
Debate (20 minutos)

21h50
Coquetel

 

POR RAFAEL CAVALCANTI BARRETO - MP AL

Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivos
Please reload

Siga nos
  • Facebook Basic Square